Skip to content

It Up!

Category Archives: estilista

>

Não sou de mostrar aqui todos os desfiles de todas as semanas de moda que rolam pelo mundo, até porque fica meio que cansativo em todos os blogs ver sempre o mesmo. Mas não pude me conter com a coleção da Vivi (rs). Escolhi o que mais gostei na coleção.
Além de adorar as roupas e acessórios da coleção, achei fantástico o make e os cabelos artísticos do desfile. A trilha sonora é incrível.












Os detalhes





Veja aqui a coleção inteira no desfile que aconteceu domingo, 20, no London Fashion Week. E diga se você não concorda comigo que a Vivi arrasa.

Anúncios

>

Gente, eu fiquei apaixonada (pirei!) com a coleção verão 2011 da dupla Dolce e Gabanna. A coleção traz florais “médio” e maxi, além do xadrez sem deixar as modelos com cara de mesa (rs). A coleção traz vestidos longos e curtíssimos, óculos, plataformas e bolsas. Pra mim, a coleção se resume em romantismo e fofura. Ah, o amarelo aparece também (parece que vai ser a cor da estação – adoooro!).











(eu quero essa bolsaaaaaaaaaa!)



O que acharam da coleção, meninas e meninos? Eu quero ela toda pra mim! rs
Um ótimo fim de semana!
beijão!

>

Há alguns anos atrás vi um documentário chinês do cineasta Jia Zhang-Ke que me chamou muito atenção pela crítica ao sistema de produção capitalista chinês, o qual é totalmente massacrante e insensível às consequências sobre a população e cultura milenar do país. No caso do filme, os “escravos” da indústria têxtil e alguns mineiros. Porém, por outro lado, conheci o trabalho genial e humano de uma estilista, também chinesa, muito conhecida no país, Ma Ke. O filme também faz uma homenagem a esta artista da moda. Mostra todo o processo artesanal e orgânico de criação da estilista que chega a enterrar as peças para criar uma identidade e ligação com a terra, dando valor ao que naquele momento pode ser “Inútil”, mas que num outro seja valorizado.

Inútil (Useless/Wu Yong) é o conceito do trabalho de Ma Ke. Ela é considerada uma estilista “anti-fashion”. O final do filme, com o título da marca da estilista, mostra os preparativos do desfile-instalação nada convencional (Paris Fashion Week 2007): os modelos são artistas de rua e pessoas comuns (mulheres, homens, crianças, velhos) sobre caixas de luz branca que vão sendo acesas e revelando as criações da estilista; e quem desfila são os espectadores (o evento foi aberto ao público). Nas criações de Ma Ke Wu Yong, são utilizados materiais simples: algodão,lona, algumas peças em tricô, tinturas vegetais.
Para Ma Ke “a utilidade não me interessa mais. Quero trabalhar com o que pode parecer sem uso agora, mas que poderá vir ser a base dos valores do futuro.” Ela propõe uma moda confortável e simples, foi por isso que lançou seu trabalho no mercado. “Não conseguia compreender porque a moda tinha que ser tão fútil” diz Ma Ke. Ela já assinou coleções na badalada grife chinesa Exception de Mixmind. Só vendo o trabalho lindíssimo e nada fútil da designer.
Ma Ke no filme de Jia Zhang-Ke, Inútil (Useless, Wu Yong)

A coleção no filme, na semana de moda e no museu












O trabalho da estilista na grife Exception de Mixmind




Da semana de moda para o museu. Desfile em meio as criações de Ma Ke!
Nem tudo que é made in china é de má qualidade!
Beijos!

>

Riccardo San Martini, jovem estilista e cineasta potiguar, já trabalha no mundo da moda e das artes há dezesseis anos. É um dos principais, senão o maior representante da moda do estado e do norte-nordeste e do Brasil em se tratando de moda contemporânea.

A moda é para ele uma forma de comunicar e expressar suas idéias acerca do mundo, do homem e de si mesmo. Todos os anos nos surpreende com uma nova coleção. Neste post, mostrarei algumas peças (difícil escolha) de todas as coleções lançadas por ele, além dos croquis, desenhos, pinturas e objetos de arte lindíssimos que é onde o trabalho do estilista começa. Sua moda sempre ressalta a silhueta feminina.
Basstidor (2003) : coleção com cara de galeria de arte. Representação dos maiores pintores de sempre.














Petróleo (2004): em evidência o clássico, glamuroso e rico tom escuro.



Panela de Barro (2005): valorização das texturas e cores do Nordeste brasileiro. Desfile performance. Lindo!




Bendita Sois Vós Dentre as Mulheres (2006): a divindade que toda mulher carrega. Maravilhoso!






Tudo Que Você Não Viu (2007): de um sonho para as passarelas (Freud explica e San Martini também). Minha preferida, amo olhos!











Natureza Viva (2008): o corpo como suporte de arte.



Era Carneiro (2009): a era do nosso tempo, cheia de conflitos e hiprocrisias da sociedade. Coleção protesto.

Confiram no próximo post mais sobre Riccardo San Martini, com um bate-papo/entrevista que tive com ele e novidades sobre a coleção (2010).