Skip to content

It Up!

>

Pra ver o editorial completo com a linda da Fernanda, clique AQUI.

>

Tenho uma queda enorme por dreads, acho muito lindo. Hoje “dreadei” os cabelos, não ficaram tão definidos como eu queria, mas gostei. Quem quiser tentar em casa (para dreads light rs) é só passar uma pomada, separar algumas mechas e torcê-las separadamente (como se tivesse fazendo cachos), depois que elas ficarem um pouco definidas, é só juntá-las e torcer fazendo um coque. Deixe o cabelo preso por aproximadamente meia hora, quando soltar vai parecer o Bob Marley (kkkk brincadeira).

Vejam o look e os dreads (tentativa rs).


Pra ver maior, clique nas imagens.

Beijão!

>

Esse editorial tá bem legal, mas o postei aqui só por causa desse cabelo. Gente, ele tá na minha lista de desejos, que no momento só tem um único item. É pedir demais? rs
Apesar do cabelo “natural” da modelo não ser assim, mas… É o cabelo mais lindo do mundo! kkk
Magda Klebanska by Tino Crisó
Magda Klebanska by Tino Crisó
Magda Klebanska by Tino Crisó
Magda Klebanska by Tino Crisó
Magda Klebanska by Tino Crisó
Magda Klebanska by Tino Crisó
Modelo: Magda Klebanska

Fotos: Tino Crisó

Um dia consigo! rs

Beijão e uma ótima semana!

>

Não sou lá grande coisa quando o assunto é pintar as unhas, mas tenho tentado me esforçar. Esta semana tentei fazer uma unha com estampa de onça rosa, e até que gostei do resultado. Pra primeira vez não está nada mal.
Vejam como ficou.


Gostaram?

>

Esses sapatos fizeram um longo caminho desde o fim da Segunda Guerra Mundial até aqui. Não só porque são resistentes, mas também por ganharem fama, fama por sua má reputação.

Os creepers começaram a ser usados pelos soldados nos desertos da África. Com o fim da guerra (e da seca rs), os ex-soldados, pra mostrar que eram fortinhos e ex-combatentes, iam para os bordeis e boates londrinos com os creepers, foi aí que sua fama de mau surgiu, passando a ser conhecidos como “brothel creepers“.
No final dos anos 50, os arrumadinhos Teddy Boys (estilo rocker e rockabilly) adotaram os creepers. Desde então os sapatos calçaram os pés de roqueiros, punks, góticos, emos, visual keis ou seja, dos meninos do “mal” (rs) e das culturas alternativas.
Hoje, os creepers continuam sendo usados e receberam de vários estilistas algumas “atualizações” como maior plataforma, salto, detalhes femininos e cores, muitas cores.
Veja a (r)evolução dos creepers (dos desertos da África para as passarelas):




















Nunca vi sapato tão rodado como esse (danadjenho! lol).
Vocês usariam os creepers? Eu acho o branco lindo!

>

A temporada de festivais está aberta. Pra mim, não existe melhor ligação que entre música e moda. Veja alguns dos looks usados pelas estilosas o festival.






























>


Ela subiu na passarela, triste e hesitante. Na noite passada um homem foi assassinado.




Clique AQUI para ler os outros nano(fashion)contos.